Imprudente conjuga-ação...

Imagem: Deviantart

E se não bastasse te lembrar...

Encontrar
Sentir
Pensar
Enternecer
Recordar
Almejar

Ainda conjugo-te nos meus verbos
Em todos os meus tempos
Quiçá fosses pretérito perfeito, mais que perfeito.
És presente, de futuro inconseqüente.
J.C.Carvalho

Aos meus fiéis escudeiros...

Imagem: Junior Franch

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer,
mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças
e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade
sua fonte de aprendizagem,
mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto;
e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.
Oscar Wilde

Aos que não desistem, persistem
Aos que prevalecem, permanecem
Aos verdadeiros, os que ousam... ser
Amigos são autênticos, sem meio termo
É, ou não!

Feliz dia do amigo!
J.C.Carvalho

Entre fábulas e contos...

Imagem: André Miguel

Sem rodeios vou ao ponto
De conversas combinadas
Saímos ao encontro

De roteiros descabidos
Tristes, envaidecidos
Mexicanos, repetidos, mais um bis?

Amor de novela
De novo, ela?
To precisando de um final feliz
J.C.Carvalho

Delito...

Imagem: J00jim

A lua foi testemunha
Do crime que aconteceu
Um beijo roubado
Meus lábios agora são seus

J.C.Carvalho

E aceita

O que seja seu

Então deita e aceita eu...

(Marisa Monte)


Amor infindável...

Imagem: Roberto Rogato

Hoje o dia amanheceu diferente, uma dor atualizada em meu peito. Dez anos se passaram, no seu lugar só ficou saudade. Lembro-me muito bem da voz desesperada de minha irmã ao telefone: pai morreu... Meu mundo acabara ali, o chão sumiu, voz me faltava, sobravam lágrimas. O grande homem, meu herói, lutou bravamente até o fim e não conseguiu vencer essa batalha; e não era faz-de-conta... Não há palavras que suprimam a dor da morte, porém, ela é a única certeza da vida.
Ainda me lembro do seu cheio, do olhar, daquele último abraço num leito de hospital. Ficaram registradas suas marcas em minha alma, impressos seus cuidados, carinho; saudade daquela época em que meu mundo se findava no afago dos teus braços, meu porto seguro. Sinais que em mim ficaram impregnados, estampados e que resultam no que sou. Saudade é o amor que fica e o meu é eterno! Te amo muito!

J.C.Carvalho

“O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.”

Fernando Pessoa

Hoje essa demanda é minha, essencialmente minha...

    Busca